Perfil: Bernardo Bernardi

A- A+

O sonho de tornar-se magistrado nasceu na infância. Foi o avô, Juiz de Direito, a grande inspiração de Bernardo Pinheiro Bernardi na escolha da carreira. Seu contato com a Justiça do Trabalho se deu na faculdade. Um parente pediu para “olhar” o andamento de um processo.  O estudante de Direito se dirigiu à Vara do Trabalho (ainda não havia o processo judicial eletrônico – PJe) e se encantou com o que encontrou: da matéria nos autos ao atendimento dos servidores. “Naquele dia, me deu uma sensação de pertencimento, de querer trabalhar ali”, revela.

E o desejo se concretizou. Em, 2008, passou no processo seletivo para estágio. Pouco depois, se formou e o único concurso aberto no país era o do Regional do Paraná. Aprovado, ficou três meses por lá e conseguiu remoção para nosso TRT. Bernardo nunca deixou de estudar e, há alguns anos, tornou-se assessor da desembargadora Wanda Lúcia Decuzzi. No último dia 30 de abril, um dia após seu aniversário de 33 anos, tomou posse no cargo de Juiz do Trabalho Substituto. A previsão é de estar sentenciando na Vara de Trabalho de Dourados no Mato Grosso do Sul (TRT-24) a partir de julho.

O maior presente deste ano, no entanto, chegou há dois meses e atende pelo nome de Mariah. O papai de primeira viagem, acostumado a usar o estudo como ferramenta para suas conquistas, leu bastante sobre bebês. Alimentação, vacinas, cuidados básicos, rotinas de sono, só se esqueceu de combinar com a pequena. Nem nos tempos de concurseiro, dormiu tão pouco.  Mariah embala um soninho até duas da madrugada, depois resolve acordar de hora em hora e querer atenção. O casal resolveu a questão dividindo os cuidados em turnos: A esposa, Mariana, está a postos das 2h às 5h30 e ele assume das 5h30 às 8h30-9h quando começa o curso de formação para magistratura. Questiono sua excelência sobre a divisão, pois a jornada de Mariana inclui horário noturno. Ele informa compensar de outras formas nas demandas da menina como na hora do banho.

“É um mundo novo, mas, modéstia à parte, estamos nos saindo bem e a cada dia estou mais apaixonado.” Por conta da pandemia, os jovens pais perderam uma importante rede de apoio, pois têm de limitar as visitas, até de familiares. O filho de Juçara e Paulo tem dois irmãos. Paola e Rodolfo, este tem o feito de ter sido a primeira pessoa com síndrome de down a ingressar na UFES.

As visitas restritas, no entanto, não impedem o restante da família de acompanhar as gracinhas de Mariah, pois papai Bernardo tem a fotografia como hobby. Cada sorriso, um click. Já conhece os melhores ângulos da filhota, ou seja, todos.  O olhar apurado permite afirmar com orgulho que o dedo do pé, o branco do olho e as orelhinhas são dele, no resto, informa, a menina puxou a beleza da mãe. A fotografia lhe traz alegria há tempos.  Conquistou o primeiro lugar em um concurso promovido pela Ajustes, com uma foto tirada em um final de semana na cidade de Matilde.

Sim, mesmo com rotina de estudos de toda uma vida, Bernardo sempre fez questão de descansar e passear nos finais de semana. As férias, em sua maioria, são dedicadas às viagens. Entre as mais marcantes, uma à Islândia onde percorreu todo o país em uma capervan (uma espécie menor de motorhome) e o passeio de balão em Bagan no Myanmar.  Novas aventuras agora apenas quando a vacinação chegar a todos e Mariah conseguir carregar sua própria  mochilinha. Enquanto isso não acontece, pretende realizar outro sonho ao mudar para o Mato Grosso do Sul: o de morar em uma casa. Quer um gramado para brincar com a filha e, quem sabe, ter um cachorro.

A alegria do nascimento de Mariah tão aguardada após oito anos de casado e a recente posse como juiz, sonho de infância, ajudam a atenuar os dissabores do momento. Como todos nós, ele se preocupa e sofre com a pandemia, mas procura focar no sentimento de gratidão. Destaca a importância de todas as pessoas com quem trabalhou no nosso Regional para o sucesso de sua jornada. Desde o tempo de estagiário quando a colega Elzimar Meirelles o “recepcionou com muito carinho” até os colegas de gabinete e a desembargadora Wanda Lúcia, sua última chefe direta antes de tornar-se juiz e um “exemplo inspirador”.

A história de Bernardo Bernardi na Justiça do Trabalho começou com um sonho. Foi um estagiário dedicado e se destacou como servidor. Agora, no novo cargo, a Ajustes não tem dúvida que continuará o caminho traçado lá atrás de uma carreira de excelência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *