Obturador: a ferramenta para congelar o movimento



A-



A+

A velocidade de abertura e fechamento do obturador é chamada de “shutter speed”, ou seja, a velocidade de disparo está diretamente ligada à ideia de movimento

Animados para o concurso de fotografia? A dica da Ajustes desta semana é para quem possui equipamento semi-profissional ou profissional e pretende fazer fotos que dão um pouco mais de trabalho.

A máquina fotográfica se assemelha ao olho humano em alguns aspectos. Por exemplo, a retina é como se fosse o sensor da câmera, a pupila é análoga ao diafragma e as pálpebras seriam o obturador.

O obturador pode ser comparado a uma cortina de uma janela. Se abrir por muito tempo terá luz por mais tempo dentro de sua sala; se abrir rapidamente terá um curto período de tempo. E com o obturador da câmera é a mesma coisa, quanto mais aberto mais luz o sensor da câmera vai captar.

Velocidade é tudo

A velocidade com que se dá a abertura e fechamento do obturador é chamada de “shutter speed”, ou seja, a velocidade de disparo e ela estão diretamente ligadas à ideia de movimento e essa velocidade é medida em frações de segundo.

O segundo é dividido por números e temos expressões como 1/200 ou números inteiros como 5’’ – esse sinal (‘’) indica os segundos. Quando menor o número de frações mais demorado será o fechamento do obturador.

1170733_973698499333831_796568905501959582_n

Velocidade alta: 1/8000, 1/4000, 1/3200, 1/2500 – note que o segundo (unidade de tempo) é dividido por números altos, ou seja, quanto maior o divisor maior será a velocidade.

Velocidade média ou normal: 1/100 a 1/20 – uma curiosidade interessante é que 1/20 é o limite para quem está fazendo fotos sem tripé.

Velocidade baixa: 1/20 até o Bulb ( quando o obturador permanece aberto enquanto você segurar o botão).

Dica: existe uma relação entre a velocidade do obturador e a distância focal da sua lente. Ou seja, se a distância focal da sua lente é de 85mm, a velocidade mínima deverá ser de 1/85s, para evitar uma imagem tremida. Isso vale para qualquer distância focal que estiver usando.

Como isso funciona na prática?

Coloque sua câmera no modo manual e confira pela viewfinder (o lugar onde colocar o olho) e você verá uma escala – o fotômetro – que registra as condições de luz do ambiente de acordo com os ajustes realizados.

Quando o ponteiro estiver mais para o lado negativo (à esquerda), indica pouca luz e a foto pode ficar escura. Já o contrário (à direita), o ponteiro marcando um valor positivo muito alto, indica que existe muita luz, e a foto pode “estourar“- ficar muito branca.

Para uma foto com exposição equilibrada o ideal é ajustar a velocidade de tal forma que o ponteiro fique no meio.

Obs: não esqueça que o ISO e o diafragma influenciam nessa escala. Para fazer um teste, coloque o ponteiro no meio e altere o ISO ou o diafragma. Você notará que o ponteiro do obturador se moverá do centro.

Congelando movimentos

Para congelar o movimento você precisa de luz, seja artificial ou natural. O ISO deve estar em 100 e a abertura do diafragma em F/11 (essas medidas variam de acordo com as situações).

SONY DSC
SONY DSC

Feita a exposição correta, você agora deverá aumentar a velocidade do obturador para pelo menos 1/4000. Faça os ajustes necessários no ISO e no diafragma para que a câmera continue mantendo a exposição equilibrada. Agora basta fazer o clique.

Qual câmera você tem?

Dependendo do tipo de câmera que você tiver, o modo como proceder para congelar movimentos poderá variar. O processo citado acima é válido para câmeras que possuam ajustes manuais como as DSLR’s, Superzoons e Mirrorless.

É possível congelar o movimento? A resposta é sim. O ideal é a sua câmera ter estabilizador óptico. Ative-o e coloque sua câmera em um modo de disparo específico para fotos em movimento e vá para um local bem iluminado.

O contrário também é verdadeiro

Talvez você não queira congelar o movimento, mas queira um movimento mais fluído. Se aumentarmos a velocidade do obturador tendemos a congelar o movimento, ou seja, se diminuirmos a velocidade teremos um movimento mais “arrastado”.

Baixa-velocidade

Com baixa velocidade (maior tempo de exposição) você consegue efeitos bacanas como rastro de luz. O limite de velocidade para usar a câmera com as mãos é de 1/20, portanto usar um tripé é obrigatório.

Se para congelar movimento você precisa de muita luz, como um parque em dia ensolarado; para usar baixa velocidade o cenário mais interessante é à noite. Luzes de carros, faróis ou qualquer coisa que emita luz ganha um efeito muito legal.

Lembre-se que a velocidade de obturação não pode ser usada de forma isolada dos outros dois elementos do triângulo de exposição (abertura e ISO).

Fonte: Verena Fotografia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Precisa de ajuda?