Próximo compromisso da categoria é rodada de assembleias e reunião ampliada no dia 26



A-



A+


Encontro vai votar indicativo de greve por tempo indeterminado a partir do dia 30. Sindicatos seguem calendário nacional e participam de ato unificado nos estados no dia 17/05 
BRASÍLIA – 18/05/12 A agenda de mobilizações, neste mês de maio, em defesa da aprovação do PCS e contra o congelamento salarial está cheia e segue agitada, com a participação da categoria nas atividades em todo o país. 

 

Depois das manifestações realizadas nos dias 9 e 17 de maio em várias capitais, o próximo compromisso dos sindicatos agora será a reunião ampliada da Fenajufe, marcada para o dia 26 de maio, em Brasília. Antes disso, de 21 a 25, os sindicatos promoverão rodada de assembleias para avaliar a participação da categoria nas mobilizações realizadas neste mês e definir a deflagração da greve por tempo indeterminado a partir do dia 30.

 

A Fenajufe lembra que para participar da ampliada os sindicatos devem eleger seus delegados em assembleia geral, convocada para este fim. Da mesma forma que os dias nacionais de luta em 9 e 17 de maio, a rodada de assembleias e a ampliada também fazem parte do calendário nacional, aprovado por ampla maioria dos delegados da XVII Plenária Nacional, realizada em São Luis. Lá, os servidores presentes avaliaram que somente uma greve forte e unificada, em todo o país, será capaz de pressionar o governo a negociar um acordo orçamentário para votar o PCS. Por isso, no encontro do próximo dia 26 os dirigentes da Fenajufe e os representantes dos seus sindicatos filiados vão avaliar o cenário que envolve a tramitação dos PLs 6613/09 e 6697/09 e definir se deflagram ou não o movimento grevista.

 

É importante ressaltar que tudo dependerá das mobilizações promovidas pelos sindicatos em todo o país, uma vez que essas atividades têm por objetivo preparar a categoria para um maior enfrentamento no próximo período.

 

Devido à falta de negociação entre a cúpula do Judiciário e o Palácio do Planalto, o PL 6613/09 segue parado na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara. Na sessão da última quarta-feira [16], embora o projeto tenha sido incluído novamente na pauta pelo presidente da CFT, deputado Antônio Andrade [PMDB-MG], por falta de quórum o PCS não foi aprovado.

 

A orientação do governo continua sendo a mesma: enquanto não houver acordo, vamos barrar a revisão salarial dos servidores do Judiciário Federal e do MPU.Por outro lado, os ministros Ayres Brito e Cármen Lúcia, presidentes do STF e do TSE, respectivamente, saíram em defesa da aprovação do PCS, afirmando que irão procurar a Presidência da República para negociar. No entanto, até o momento ainda não há qualquer resposta concreta de que essas negociações de fato estão ocorrendo. O que há, por enquanto, são as declarações dos dois ministros, em jornais da grande imprensa, de que são a favor do pleito dos servidores e que irão trabalhar por ele.

 

“Precisamos cobrar que esses apoios se transformem em ações concretas. Os deputados da CFT, como o presidente e o relator do PCS, deputado Policarpo, afirmam que aguardam retorno do ministro Ayres Brito para uma reunião de negociação. Por isso, temos que ir às ruas cobrar da cúpula do Judiciário que esse compromisso firmado saia do papel e se materialize, de fato, em um canal com o governo federal. Não tenho dúvida, portanto, que a greve será o próximo passo capaz de pressionar os três Poderes nesse sentido”, explica Jean Loiola, coordenador de comunicação da Fenajufe. Para ele, os sindicatos devem promover rodada de assembleias na semana que vem e debater com a categoria a construção da greve a partir do dia 30. “Esperamos reunir representantes de todos os sindicatos para podermos discutir, juntos, o cenário e definir uma agenda unificada, conforme orientação da Plenária Nacional”, reforça.

 

Pressão na CFT continua

Os coordenadores de plantão essa semana também explicam que, além da rodada de assembleias e da participação na reunião ampliada, os sindicatos ainda têm o compromisso de manter as pressões em cima dos deputados da Comissão de Finanças e Tributação da Câmara. O coordenador Cledo Vieia ressalta que, diante da postura do governo em manter a orientação para que não haja quórum para votar o projeto, a Fenajufe e os sindicatos de base têm que aumentar ainda mais as pressões sob os parlamentares. Nesse sentido, ele orienta que todos conversem com os deputados em seus estados, convencendo-os a comparecer na sessão da próxima quarta-feira, 23 de maio. Além disso, devem enviar representantes a Brasília na próxima quarta para acompanhar a sessão da CFT e reivindicar que votem o PL 6613/09.

 

“É importante mantermos os contatos com todos os deputados, em especial com os da base do governo. São eles que seguem a orientação de não comparecer para não ter quórum. No entanto, com a nossa pressão podemos convencê-los a ajudar nas negociações entre o STF e o Executivo e também a participar da sessão. Na reunião de quarta-feira, 14 deputados assinaram a lista de presença, faltando apenas 3 para dar o quórum. Então, a nossa presença lá é fundamental”, avalia Cledo.

 

Categoria participa das atividades do dia 17

Nesta quinta-feira, 17 de maio, servidores de várias categorias do funcionalismo promoveram atos em todo o país para cobrar do governo o atendimento à pauta de reivindicações da campanha salarial unificada de 2012. As manifestações fizeram parte do calendário unificado dos SPFs, definido pelo Fórum Nacional que reúne entidades sindicais, entre as quais a Fenajufe e as centrais sindicais CUT, CTB e CSP-Conlutas.

 

O Judiciário Federal e o MPU, seguindo a orientação da Fenajufe e a deliberação da XVII Plenária Nacional, de São Luis, também participaram das manifestações, se juntando às demais categorias do funcionalismo. Segundo informações enviadas pelos próprios sindicatos, a categoria marcou presença nas atividades unificadas em Brasília, Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro, Florianópolis, Recife, São Luis, Belo Horizonte e Cuiabá. Em alguns estados, houve também paralisações, preparando a categoria para a greve por tempo indeterminado.

Fonte: Fenajufe – Leonor Costa

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Precisa de ajuda?