Mar: fotografando com oito dicas fáceis e infalíveis



A-



A+

Paciência é a primeira dica para quem quer arrancar imagens inesquecíveis de uma praia

O mar é algo realmente incrível. Ele cobre cerca de 71% da superfície da Terra e banha todos os continentes. Nesta segunda-feira, 25, a ideia não é dar uma aula de geografia, mas falar sobre oito dicas fáceis e incríveis que mudarão o modo como você fotografa o mar, assunto desta semana dentro da série de matérias que a Ajustes está publicando em decorrência do 4º Concurso de Fotografia.

A maioria das pessoas faz foto do mar quando vai à praia, embora alguns tenham a oportunidade de registrar belíssimas imagens aéreas, em alto mar ou submarinas. Mas aqui as dicas vão de basear na perspectiva da praia.

Dica #1 – Espere pelo momento certo

Qualquer fotografia que envolva a natureza tem um requisito básico e obrigatório: paciência. A natureza não gira na mesma velocidade que nós, por isso é necessário ter muita calma e aguardar o momento certo de fazer o clique.

Outra coisa que você precisa entender e estudar é a luz natural e como ela afeta a cena. A luz tem três qualidades ou aspectos básicos: intensidade, direção e cor. Você tem que estudar esses pontos e aprender como eles influenciam a imagem. Somente dessa forma você saberá mesclar os três aspectos para fotografar de uma forma totalmente diferente da maioria das pessoas.

Ah! Lembre-se de proteger o seu equipamento da água salgada e areia. Acredite: sua câmera pode não cair ou sofrer um acidente, mas você não escapará da maresia, por isso, para protegê-la, use uma caixa vedada ou um saco plástico.

Dica #2 – Use lentes grandes angulares

As lentes grandes angular são as lentes mais indicadas e as preferidas para fazer fotografia de paisagens, pois elas podem mostrar uma visão mais ampla do cenário e, portanto, dar uma sensação de espaço aberto em sua imagem. Elas também tendem a dar maior profundidade de campo e permitirem velocidades mais rápidas visto que elas são propícias para que mais luz entre na câmera. Se sua câmera for uma câmera digital ou superzoom, tire todo o zoom possíve.

Nem sempre você precisará de uma teleobjetiva para buscar cenas das ondas quebrando. Em dias mais calmos, ensolarados ou nebulosos, use uma lente grande angular para fazer um panorama destacando pontos de interesse como pedras ou pessoas (embora não exista muita diferença entre as duas coisas em certos casos). Use um tripé ou monopé já que a quantidade de luz pode ser pequena. Experimente usar: velocidade 1/200 abertura f/16 ISO 100 (em dias nublados).

Dica #3 – Use alta velocidade

Embora tenha dito para usar uma grande angular na dica acima, tenha na mochila uma tele. Assim você poderá buscar cenas incríveis das ondas quebrando de modo que consiga criar dramaticidade, força e espanto na fotografia. Lembre-se: você precisa usar alta velocidade para congelar a água (cerca de 1/1000) e evitar exposição excessiva devido a reflexos do sol. Tente subexpor a imagem em 1 ou 2 pontos. Se você tiver um case à prova d’água, você pode até entrar na água para fotografias mais criativas, imersivas e precisas. Experimente usar: velocidade 1/1000 abertura f/9 ISO 500.

Dica #4 – Capture o movimento do mar

Dentro do que já conversamos aqui você pode e/ou deve usar uma grande angular, uma tele para buscar as ondas ao longe, alta velocidade para congelar as ondas, todavia, você pode e/ou deve criar fluidez em suas fotografias do mar.

Posicione a câmera no tripé e use o modo de TV ou S (Shutter-Priority) – embora seja recomendado sempre usar o modo M (manual). No caso dos modos semiautomáticos, escolha uma velocidade mais lenta do obturador e deixe que a câmera escolha a abertura correta. Usar um filtro ND pode ajudar a reduzir a quantidade de luz na câmera. Assim você engana a pobre câmera fazendo-a pensar que precisa baixar mais a velocidade. Experimente usar velocidade 2/1 abertura f/20 ISO 100.

Dica #5 – Aproveite os reflexos do mar

No momento em que o sol nasce ou se põe através das nuvens normalmente ele cria efeitos muito legais na praia. Largue a mão de ser preguiçoso e levante cedo! Use um tripé para evitar a trepidação da câmera, ajuste a câmera para o modo AV (com prioridade de abertura). Use aberturas entre f/16-f/32 para criar mais profundidade de campo e um filtro polarizador que irá melhorar a cor do céu, “trazer para fora” as nuvens e reduzir o brilho refletido na água. Sua fotografia será outra depois de aplicar essa técnica. Experimente usar velocidade 1/80 abertura f/22 ISO 400.

Dica #6 – Use linhas

Se usar longa exposição, você pode criar trilhas de nuvens ou de espuma muito interessantes. Com uma lente grande angular e uma pequena abertura de f/16 – f/32 você fará fotos sensacionais. Sempre use um tripé e lembre-se de usar todas as linhas disponíveis para guiar o olhar, um píer, um barco, a linha do horizonte, enfim, componha sua imagem usando todos os recursos possíveis. Experimente usar velocidade 1/2 abertura f/16 ISO 200 (fim de tarde).

Dica #7 – Busque um ícone

Na verdade o ícone aqui é algo que se tornará um representante da cena. Como estamos falando de mar, logo o natural é que os ícones sejam rochedos, dunas (praia), ondas e faróis. Sim, faróis são grandes ícones do mar que estão no imaginário geral das pessoas. Se estiver visitando o nordeste brasileiro ou alguma praia que possua um farol, fotografe-o sem hesitar. Claro que para causar emoção na fotografia lembre-se de criar uma boa composição.

Use uma lente grande angular e a regra dos terços de modo que o farol fique à esquerda e o facho de luz projete-se para a direita. Coloque a câmera em um tripé e use longa exposição para registrar o caminho da luz. Experimente usar velocidade 4/1 abertura f/16 ISO 400 (fim de tarde).

Dica #8 – Atente-se para a hora do dia

Sem entrar muito no aspecto técnico a hora em que você faz sua fotografia é muito importante e pode mudar completamente o efeito na imagem. No início do dia a luz é quente, vermelha passando para laranja durante o dia até se tornar amarela com projeção de sombras para retornar ao estado inicial no fim da tarde. Use isso a seu favor e explore as possibilidades.

Configurações recomendadas

Use baixa velocidade para criar movimento e fluidez das águas do mar ou alta velocidade para congelar a crista das ondas. Mantenha tudo devidamente focado e estabilizado (uso do tripé).

Equipamentos recomendados

Se você pensou que o assunto seria as lentes ou a câmera, você errou porque o equipamento mais importante que você precisa ter é um pano limpo. Mesmo se você estiver fotografando em um dia calmo, você não vai escapar da maresia nem da areia no ar. Quando tiver concluído a fotografia do dia, limpe a câmera. Quanto às lentes guarde muito bem sua grande angular e teleobjetiva em uma bolsa devidamente afastada da água. Tenha um filtro ND e polarizador na mochila (para usar e proteger a lente) bem guardado para não riscar com os grãos de areia. Considere investir em um kit de limpeza, pois não sai caro e o benefício é imenso.

Fonte: http://www.verenafotografia.com – com edição da Ascom da Ajustes

Foto: André Luis Soares (terceiro colocado na categoria não-associado no 3º Concurso de Fotografia da Ajustes)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Precisa de ajuda?